Conexão com Deus

AO VIVO • Todas as segundas-feiras, às 20h

Acesse a Deus corretamente e conecte-se à melhor rede de relacionamentos.

Você sabia que o inferno existe?

Texto Básico: Lucas 16.19-31
          O inferno é um tema macabro e desagradável que ninguém quer estudá-lo. Bertrand Russel disse: “Não creio que qualquer pessoa que seja de fato profundamente humana possa crer nas penas eternas. É uma doutrina que pôs crueldade no mundo e que deu ao mundo gerações de tortura cruel”. Jean Paul Sartre disse: “Nada de enxofre ou grelha. O inferno são os outros”. Mas, a bíblia ensina que o inferno é real. E ele não é aqui. A terra é um presente de Deus para o homem. Deus fez os céus e a terra. A terra deu-a ele aos filhos dos homens (Sl 115.15-16). A terra está cheia da bondade do Senhor! (Sl 33.5; 119.64).
          Razões para estudarmos sobre o inferno: 
(1) É uma doutrina bíblica. Jesus Cristo ensinou mais sobre o inferno do que sobre o céu (Mt 5.29; 10.28; 13.42,50; 16.18; 18.8-9; 22.13; 23.14-15, 31; 25.41, 46). Ela é ensinada no Antigo Testamento (Sl 9.17; Is 33.14; Ez 32.27; Dn 12.20) e no Novo Testamento (Mt 3.12; 2Ts 1.8-9; Jd 6-7; Ap 14.10-11; 20.11-15). 
(2) É uma doutrina imprescindível. O inferno envolve o futuro eterno das pessoas. E esse estado futuro é decidido aqui nesta vida. As pessoas podem zombar, não acreditar e até mesmo negar a realidade do inferno. Jesus disse: “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mt 10.28). Pior do que estudar sobre o inferno é ir para lá. 
(3) É uma doutrina inevitável. Assim como a morte é certa, o juízo também é (Hb 9.27-28). Toda pessoa morrerá um dia na terra e acordará na eternidade. Todo ser humano prestará contas a Deus (Ec 11.9; 12.13-14; Jo 5.28-29; 2Co 5.10).
Jesus usou a parábola do rico e o mendigo para ensinar sobre as penas eternas. Vejamos as ideias principais da parábola:
1.      A MORTE É CERTA PARA TODOS (VV.19-22)
Jesus diz: “Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado” (vv. 22). A morte é um acontecimento para todos. Morreu o mendigo e também o rico. Ela é uma consequência do pecado (Gn 2.17; Rm 5.12) e cabe a todos (Ec 8.8). Ela está ordenada por Deus (Jó 14.5) e iguala todas as pessoas (Jó 3.17-19). No mundo hoje, morrem naturalmente, aproximadamente, 6.178 por hora, 148.272 e mais de 54 milhões por ano.
2.      A PESSOA CONTINUA VIVENDO APÓS A SUA MORTE FÍSICA (V.23).
A bíblia ensina que a morte encerra a existência nesta vida, mas a pessoa continua existindo na eternidade. É a doutrina da imortalidade da alma (Jó 19.25-27; Sl 17.15; Dn 12.3; Mt 22.31-32; Lc 23.43; Jo 14.1-3; Fp 1.25). “E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu” (Ec 12.7). Voltando a Deus o espírito de cada pessoa, Ele dará o destino que a pessoa merece. O espírito se separando do corpo continuará vivendo, porque ele é imortal.
3.      HÁ SOMENTE DOIS DESTINOS ETERNOS: CÉU OU INFERNO (VV. 24-31)
A parábola nos fala de dois homens, de dois estilos de vida, de duas mortes e de dois destinos eternos. Jesus ensinou esta mesma doutrina falando de duas portas, dois caminhos, dois viajantes e dois destinos eternos (Mt 7.13-14). O nosso foco aqui é o “lugar de tormento” (v.28), para onde foi o rico. Este lugar real é o inferno (geena). O nome grego vem do Vale do Hinom, local fora de Jerusalém, onde foi feito sacrifícios humanos (2Cr 28.3; 33.6; 2 Rs 23.10). Na época de Jesus, o local era um “lixão”, onde o despejo era queimado de dia e de noite.
O inferno é real e não é aqui. Trata-se de um lugar que foi preparado por Deus (Mt 25.41). É descrito na bíblia como “castigo eterno” (Mt 25.46), “fogo eterno” (Mt 25.41), “chama eterna” (Is 33.14), “fornalha acesa” (Mt 13.42,50), “fogo e enxofre” (Ap 14.10), “lago de fogo” (Ap 20.15), “fogo que não se apaga” (Mt 3.12) e “castigo eterno” (Ap 20.10). O inferno é chamado também de “segunda morte” (Ap 2.11), “verme que nunca morre” (Mc 9.44), “trevas exteriores” (Mt 25.30), “ira vindoura” (1Ts 1.9), “penalidade de eterna destruição” (2Ts 1.9), “negridão das trevas” (2Pe 2.17) e “condenação do inferno” (Mt 23.33).
Na parábola ensinada por Jesus há umas lições importantes sobre o inferno: 
(1) É um lugar de tormento consciente. A pessoa estará viva e consciente experimentando o sofrimento. O homem sente, olha e conversa. Nada de sono da alma. 
(2) É um lugar de tormento completo. A pessoa experimentará o tormento no corpo e na alma. “Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama” (v. 24). Lembre-se do aviso de Jesus que alma e corpo perecerão no inferno (Mt 10.28). 
(3) É um lugar de tormento definitivo. É um lugar definitivo do qual a pessoa não poderá sair ou transferir-se. Deus disse ao homem que estava no inferno: “E, além de tudo, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que querem passar daqui para vós outros não podem, nem os de lá passar para nós” (v.24). Observem a expressão “não podem”. Não adianta rezar missa ou pagar penitências! Não existe possibilidade de mudança da pena eterna após a morte. 
(4) É um lugar de tormento incomunicável. O homem pede a Deus que mande alguém avisar os seus parentes para que não irem para aquele lugar. Mas Deus o responde: “Abraão, porém, lhe respondeu: Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (v.31). Não existe a possibilidade de comunicação com os mortos (2Sm 12.22-23). Nós iremos aos que já morreram, mas eles não poderão vir a nós. A doutrina da reencarnação e da comunicação com os mortos é um equivoco. Trata-se de uma prática condenada por Deus, pelo fato da sua impossibilidade. “Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti. Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus. Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa” (Dt 18.10-14). 
(5) É um lugar de tormento evitável enquanto estivermos nesta vida. Deus disse para o homem que estava no inferno, que os seus parentes que estavam vivos poderiam não ir para aquele lugar se dessem ouvidos a mensagem do evangelho: “Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos” (v.29). A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. E a mensagem central da bíblia é que Jesus é o único Salvador e Senhor. Crer em Jesus é o único meio de não ir para o inferno. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). A única maneira de “não perecer eternamente” é crer em Jesus. O Deus amoroso coloca diante de você a única possibilidade de salvação eterna: Jesus. Não há salvação em nenhum outro! (Jo 14.6; At 4.14).
CONCLUSÃO
 George B. Shaw escreveu: “Todas as pessoas interessantes estarão no inferno”. Mas, não é isso que a bíblia diz (Ap 20.10; 21.8). O inferno é um local que está preparado para o diabo, os anjos demoníacos e os ímpios. O diabo e os demônios não querem ir para lá (Mc 1.24; Lc 8.31). Lá é um lugar onde Deus reina e onde a sua punição para o mal será completa e eterna. “Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo” (Hb 10.31). O nosso Deus é fogo consumidor!

Informações (11) 3814-2858

Av. das Nações Unidas, 6151 - Alto dos Pinheiros - São Paulo

IPP 2011 - 2012 - Todos os Direiros Reservados

Logo - Igreja Presbiteriana de Pinheiros

Logo - Z3ideias - Ideias Transformando Vidas